COMO FOI SEU PRIMEIRO ENCONTRO COM A DOUTRINA ESPÍRITA

Como foi o seu primeiro encontro com a Doutrina Espírita? Você foi até ela, ou ela veio até você? Qual foi o seu laço de união com este presente divino que é a Doutrina? Para uma reflexão: você tem o hábito de se apresentar como espírita? De falar de espiritismo? De emitir sua opinião à luz da Doutrina? Sem ser fanático, mas com coerência na religião que professa? Ou você é do time que diz: “religião é assunto pessoal e não deve ser comentado!”

No meu caso, foi assim: Eu detestava qualquer tipo de religião, pois achava que religião era para quem não pensava. Na verdade eu questionava se Deus era pai mesmo, e também não me relacionava com Jesus. A minha experiência na juventude, foi numa cidade pequena, onde padres e freiras eram os representantes diretos e divinos de Jesus. Tive algumas decepções e acompanhei vários fatos onde a religião foi abalada pela falta de caráter dos religiosos.

Cheguei ao Rio de Janeiro muito jovem e trabalhei em uma única empresa, uma grande multinacional reconhecida em todo o mundo, e lá fiquei por quase 20 anos. Trabalhei sempre na mesma diretoria, e o assunto religião nunca era colocado em pauta.

Em 2002 fui convidada a ir num Centro Espírita por uma amiga. No início eu relutei, pois tinha uma ideia totalmente equivocada sobre Centro Espírita. Enfim, chegou o dia de assistir a tal palestra! O tema era sobre o Livro dos Espíritos, e o palestrante, que realmente falou sobre o conteúdo das perguntas, teve a excelente inspiração de ler algumas perguntas e respostas e comentá-las com exemplos. Qual não foi a minha surpresa, quando o palestrante dizia, na pergunta tal...e lia, os espíritos responderam....e lia, e eu fiquei simplesmente envolvida naquela metodologia filosófica, e percebi a minha sede pelo esclarecimento da minha existência. Realmente quem eu era? Então eu me virei para o lado e perguntei a uma pessoa: “Onde estão estas perguntas e respostas? Tem livro sobre isto?”, e quando acabou a palestra eu fui direto para a livraria e comprei, não apenas o pentateuco, mas cerca de 15 livros que foram indicados pela vendedora, e que eu pude observar que os títulos tinham ligação direta com o tal Livro dos Espíritos.

Neste momento na livraria do Centro Espírita, eu encontrei uma pessoa que trabalhou quase 20 anos ao meu lado. E o meu impulso foi perguntar: “O que você está fazendo aqui? É a sua primeira vez também?” e a pessoa me respondeu: “Não ! eu nasci em família espírita, eu frequento Centro Espírita desde pequeno”. Conversamos um pouco e nos despedimos.

Quando eu cheguei em casa, comecei a ler e não parei mais, até hoje!. A cada pergunta, uma exclamação brotava na minha mente. Que incrível!!! Como eu nunca soube sobre isto!! Dentro destas minhas reflexões e exclamações, com um sentimento de chateação íntima por ter perdido tempo da vida, e ainda mais um detalhe, vi de cara que, se eu tivesse tido acesso aos conhecimentos da Doutrina antes, eu não teria feito muitas bobagens , não teria tomado algumas decisões erradas, e cheguei rapidamente a conclusão que eu teria errado menos e com certeza teria sido mais feliz. E foi aí que um pensamento me invadiu e senti minha mente se questionando, mas como o fulano, que trabalhou quase 20 anos comigo, nunca falou nada sobre a Doutrina Espírita!!!! Como ele foi capaz de nunca ter dado um conselho, ou mesmo opinião, esclarecendo que era à luz da Doutrina!!!!

Pessoal, não aguentei!!! Peguei o telefone e liguei para o tal amigo, e quando ele atendeu eu “soltei o verbo”, reclamei, e já de posse de algumas informações do mundo dos espíritos, questionei ele dizendo: Você quer ir para o umbral é!!??? Por sonegação de consolo, conforto espiritual e principalmente por nunca ter divulgado a Doutrina Espírita??? Como você fez isso, é um crime !!! como você nunca falou nada sobre Allan Kardec?, nunca nem pronunciou o nome dele!!! Enfim, creio hoje que esse meu amigo mudou de ideia e de atitude.

No meu caso, dizem os amigos, que quando eu conheço uma pessoa, eu tenho o limite de 3 minutos para falar que sou espírita, e em 5 minutos pedir alguma coisa para a obra social a qual eu dirijo, e com certeza me sinto muito feliz com a Doutrina Espírita e Jesus no dia a dia. Para finalizar, uma pergunta e uma experiência: Qual a pergunta do Livro dos Espíritos que mais impactou você? As minhas foram a 909 e 919.

Artigo publicado na Revista dos Estudos Espíritas


  DESTAQUE  
Posts em breve
Fique ligado...
  POSTS RECENTES