top of page

Nascida no Ceará, no dia 1º de novembro de 1929, viúva aos 23 anos com dois filhos para criar, chegou ao Rio de Janeiro em 1955, de “pau-de-arara”, como milhares de irmãos do norte e nordeste que elegeram a então capital federal como local para reconstrução de suas vidas, fugindo da miséria e da falta de perspectivas de vida para si e para seus filhos.

 

Lutou contra a discriminação de ser nordestina e mulher que resolveu traçar o seu destino por conta própria, conseguindo por meio de muito esforço e dedicação manter unido seu pequeno núcleo familiar.

 

Com a ajuda de sua mãe e dos filhos, conseguiu se transformar numa profissional competente e muito requisitada na indústria da moda do Rio, tendo trabalhado para as melhores butiques da cidade, como artesã e dominando a arte de bordar. Embora a vida fosse de luta e trabalho, via-se recompensada por estar conseguindo escapar da faixa de pobreza e miséria que conhecera na infância e que não desejava para seus filhos.

 

Mas, quis o destino que a tragédia mais uma vez se abatesse sobre a cabeça dessa mulher, quando seu filho mais novo contraiu doença incurável aos 12 anos, vindo a falecer aos 18 anos. Dona Lourdes começou, então, no bairro de Laranjeiras, a abrigar jovens viciados e drogados, procurando resgatar aquelas vidas do mundo das drogas e do crime.

 

Seu amplo apartamento no tradicional bairro da Zona Sul tornou-se pequeno para tantas vidas que ali buscavam apoio, ao mesmo tempo em que, mais uma vez, o preconceito tentou quebrar a coragem daquela mulher que os vizinhos entendiam como “louca”, por dar amparo àqueles de quem as próprias famílias já tinham desistido.

Em 1980, D. Lourdes vendeu seu apartamento e comprou um sítio no Vale das Pedrinhas, naquela época território do município de Magé, levando para lá alguns jovens e crianças que já eram acolhidas por ela.

 

Em 1982, fundou a Comunidade Missionária Porta da Esperança, já então uma instituição para dar abrigo a crianças e adolescentes de 0 a 18 anos. A instituição praticamente nunca contou com o apoio do poder público, tendo funcionado até o ano de 1992, quando com a saúde debilitada de sua fundadora, veio a instituição sofrer severa campanha de difamação por parte de pessoas que pretendiam se apossar do abrigo.

 

A Porta da Esperança foi fechada e suas crianças dispersas por diversas outras instituições ou foram entregues a famílias que as acolheram. No entanto, essas crianças começaram a fugir e retornar ao único lar que conheciam, obrigando os órgãos de promoção e defesa dos direitos da criança e do adolescente, a reconhecerem a autoridade moral daquela que, mais que casa, oferecia comida e roupa, dedicava àquelas vidas amor e carinho.

 

Em 22 de maio de 1993, foi fundada a Associação Beneficente Renascer, como forma de manter acessa a chama do trabalho iniciado pela grande lutadora D. Maria de Lourdes. Por vezes passou pelas mais diferentes e inusitadas dificuldades, assim como soube enfrentá-las, com ajuda dos amigos mais próximos, e de sua família (seu filho, nora e duas netas), que sempre acreditaram nesse trabalho e que essa mulher tinha um dom e uma missão divina a cumprir nesta terra.

 

Em 2005, essa mulher, amada por muitos, com diversos “filhos”, conhecida como “mãezinha” por ter mudado a vida de muitos, veio a falecer. No seu enterro, como fechamento do seu ciclo de vida, foi preciso alugar um ônibus para trazer ao Rio de Janeiro parte daqueles a quem Maria de Lourdes ajudou a construir uma nova história.

  HISTÓRIA  

  MARIA DE LOURDES  

  BARBOSA PINHEIRO  

bottom of page